barresu.gif (2603 bytes)

Introdução: A incontinência urinária (IU) na mulher continua sendo um tema atual e controverso, apesar dos diversos trabalhos publicados. O propósito do nosso estudo foi o de comparar o valor da avaliação propedêutica objetiva e subjetiva no diagnóstico da IU.
Pacientes e Métodos: Foram estudadas 101 mulheres distribuídas em dois grupos, sendo o Grupo 1 (n=51) , com perda urinária e o Grupo 2 (n=50) sem perda urinária. Foram estudados os seguintes parâmetros: 1- Avaliação clínica; 2- Teste do absorvente.
Resultados: A média do índice de massa corpórea (IMC) no G1 foi de 28% e no G2 foi de 24%, demonstrando que a obesidade é um fator predisponente na IU (p< 0,05).O número de micções diárias, em média, foi no G1 de 6,47, e de 5,96 no G2 (p<0,05). Em 58% dos casos, no G2 ,observou-se alguma atividade física contra 29% no G1 (p<0,05). Notamos que 25% das mulheres do G1 foram capazes de interromper o jato urinária contra 80% do G2 (p<0,05).
Conclusão: Observou-se, comparando-se os resultados da avaliação subjetiva e objetiva, uma concordância entre estas duas modalidades de avaliação em 57% dos casos e em 41% os dados foram superestimados pela avaliação subjetiva.

Unitermos: Incontinência urinária feminina ; propedêutica;