index.3.jpg (1480 bytes)
JORNAL DA INCONTINÊNCIA
URINÁRIA FEMININA

Resumos Comentados

index.3.jpg (1480 bytes)

  • Complicações da injeção periuretral de colágeno para incontinência urinária de esforço.
    STOTHERS, L.; GOLDENBERG, S. L.; LEONE, E. F.
    Department of Urology, University of British Columbia, Vancouver, B.C., Canadá. J. Urol., v.159, p.806-7, 1998.

RESUMO

Objetivos: A injeção periuretral de colágeno foi preconizada como um método seguro e efetivo de tratamento para a incontinência urinária de esforço. Este estudo foi conduzido para determinar as complicações associadas com a injeção transuretral de colágeno para o tratamento da incontinência urinária de esforço em mulheres. Nós relatamos a incidência e a conduta frente aos efeitos adversos.
Materiais e métodos: Um total de 337 mulheres com pelo menos um 1 ano de história, achados físicos e anormalidades urodinâmicas consistentes com incontinência urinária de esforço e que requeriam forros ou protetores das vestes, e que não tinham cistocele ou apenas grau 1 foram aceitos neste estudo prospectivo. Foram documentados os efeitos adversos a cada seguimento.
Resultados: A recidiva da urgência urinária com incontinência foi a complicação mais freqüente e séria ocorrendo em 12,6% das pacientes, e em muitas os sintomas revelaram-se irreversíveis. Hematúria (5% das pacientes) e retenção urinária (1,9%) tiveram curta duração e foram solucionadas espontaneamente. Reação tardia no local do teste cutâneo aconteceu em 0,9% das pacientes3 e estava associada com artralgias em 2.
Conclusões: Ao contrário de relatos prévios em que a injeção periuretral de colágeno é livre de complicações, nós achamos uma incidência global de 20% de risco de complicações.

 

COMENTÁRIO EDITORIAL

A partir de 1989 o colágeno tratado com glutaraldeído tem sido proposto como tratamento da incontinência urinária de esforço, particularmente nos casos de deficiência esfincteriana intrínseca. O colágeno é fácil de ser injetado, não migra para órgãos distantes e tem baixo potencial alergênico. Teria, por vantagens, em relação a outros tratamentos de incontinência urinária de esforço a simplicidade de execução do método e a baixa incidência de efeitos adversos. As taxas de sucesso variam de 64 a 96% na dependência da técnica utilizada e o tempo de seguimento1,2,3. As principais desvantagens do método são a diminuição da eficácia a longo prazo e os altos custos para a realização do procedimento. O artigo de Stothers et al demonstra que complicações, entretanto, podem advir deste método de tratamento, particularmente quando existe seguimento rigoroso. As complicações, entretanto, foram, em sua maioria, transitórias e pouco significativas com exceção da recidiva da urgein-continência , presente em 12,6% das pacientes.

Aparecido Donizete Agostinho


1. MC GUIRE, E.J.; APPELL, R. Transurethral collagen injection for urinary incontinence. Urology, v.43, p.413-5, 1994.
2. O'CONNELL, H.E.; MC GUIRE, E. J.; ABOSEIF, S. et al Transurethral collagen therapy in women. J. Urol., v.154, p.1463-5, 1995.
3. WINTERS, J.C.; APPELL, R. Periurethral injection of follagen in the treatment of intrinsiq sphincter deficiency in the female patient. Urol. Clin. N. Amer., v.22, p.673-8, 1995.

index.3.jpg (1480 bytes)

| Resumos Comentados  | Links | Seção Experimental | Ponto de Vista | Autores | Apoio |
| Fórum de Discussão | Seçao Pôster | Artigos de Revisão | Atualidades | Calendário | Conselho Editorial | Home |