Em decorrência da atual expectativa de vida, a mulher tende a passar parte significativa da vida exposta aos efeitos prejudiciais do hipoestrogenismo que advém da falência ovariana(1, 2, 3, 4).

As alterações induzidas pela deficiência estrogênica no trato urinário encontram justificativa na origem embriológica comum da genitália feminina e do trato urinário, que desenvolvem-se a partir do seio urogenital. Outro forte indício da ação dos esteróides sexuais é a existência de receptores hormonais, sendo que vários autores descreveram a presença de receptores de estradiol e de progesterona tanto na uretra quanto no trígono vesical e na bexiga(5, 6, 7, 8, 9).