barint.gif (2810 bytes)

A Resiniferatoxina é um extrato extraído de plantas do gênero Euphorbia e contém, na sua estrutura molecular, o grupo homo-vanilil, o que, provavelmente, é a razão porque ela ativa um local específico na membrana celular dos neurônios sensoriais do tipo C, conhecido como receptor vanilil (1,2). Evidências clínicas e experimentais têm sugerido o envolvimento de fibras aferentes do tipo C na Hiperreflexia e na Instabilidade Vesical (3).
Esta substância é um potente vanilóide, com efeito dessensibilizante, em concentrações nanomolares. No caso da bexiga, ocorre mesmo em baixas doses como 10nM. Entretanto, a dessensibilização é dose dependente e estudos têm demonstrado que doses de 10nM, em pacientes com bexiga instável, proporciona efeito benéfico durante 2 semanas, enquanto doses acima de 50nM, causam alterações clínicas e urodinâmicas durante vários meses (4).
Embora recente, estudos iniciais utilizando a Resiniferatoxina, demonstraram que esta substância pode dessensibilizar as fibras sensoriais vesicais e tratar os pacientes com Instabilidade Vesical, sem evocar significativos efeitos adversos, não sendo necessário anestesia local para o procedimento. Os resultados têm-se mostrado duradouros e positivos após apenas uma única instilação intra-vesical do medicamento, reduzindo os episódios de freqüência e perdas urinárias e aumentando a capacidade vesical (5,6).
Os autores descrevem sua experiência com esta substância em um grupo de pacientes portadores de Instabilidade Vesical refratária ao uso de anti-colinérgicos.