Objetivo: correlacionar a avaliação clínica subjetiva e objetiva em mulheres com incontinência urinária de urgência (IUU) e de esforço (IUE).
Métodos:Foram estudadas 51 mulheres, distribuídas em dois grupos,grupo 1, mulheres com IUE (n=22) e grupo 2, mulheres com IUU (n=29). Foram estudados os seguintes itens subjetivos: história clínica, média de troca de protetores íntimos/dia, o tempo de aviso, o número de micções diurna e noturna , bem como a quantidade de líquido ingerido e a escala visual análoga para a sensação de umidade e incomodo nas atividades diárias e sociais, e de forma objetiva o teste do absorvente de 60 minutos.
Resultados: As pacientes com IUE referiram uma média de 3,0 trocas/dia contra 5,0 trocas/dia daquelas com IUU (p<0,01). As mulheres com IUE ingerem em média de 1,8 litros contra 1,3 litros /dia daquelas com IUU (p<0,05). Com relação a noctúria, as mulheres com IUE apresentaram uma média de 0,9 contra 1,7 daquelas com IUU (p<0,05). A sensação de umidade foi de 31,8% no grupo I (IUE) contra 62% do grupo 2 (IUU), houve diferenças estatisticamente significativas, utilizando a escala visual análoga. Notamos que 50% das mulheres no grupo 1 relataram incômodo nos afazeres diários e relação social contra 75,9% no grupo 2 (p<0,01). O teste do absorvente mostrou que as pacientes com IUU apresentam uma maior perda urinária objetivamente demonstrável.
Conclusão:a avaliação clínica subjetiva de perdas urinárias pode fornecer informações importantes para o diagnóstico diferencial da incontinência urinária, pois existe uma correlação positiva entre a avaliação subjetiva e objetiva de perdas urinárias.
Palavras chaves: Teste do absorvente, diagnóstico, incontinência urinária de esforço, urgeincontinência.