barrest.gif (471 bytes)

Ao analisar a correlação entre o diagnóstico urodinâmico e o escore do questionário de qualidade de vida, percebeu-se que não houve diferença estatisticamente significativa para nenhum resultado. Ou seja, um teste urodinâmico normal, apresentava um escore semelhante quando comparado a um resultado de incontinência urinária de esforço genuína, instabilidade vesical ou a um diagnóstico de incontinência urinária mista.

Tabela 1:

CORRELAÇÃO ENTRE O DIAGNÓSTICO URODINÂMICO E O ESCORE DO QUESTIONÁRIO DE QUALIDADE DE VIDA

Urodinâmica

Normal

Esforço

IV

Mista

Escore total ( escala: 0 a 100) Média

85,8

69,9

77,8

68,8

Subescala: limitação da ação Média

75

62,5

68,8

62,5

Subescala: impacto psicológico Média

95,8

80,6

88,9

81,9

Subescala: embaraço social Média

85

70

75

67,5

         P > 0,05

No entanto, quando se correlacionou a queixa principal da paciente com o escore do questionário da qualidade de vida, percebeu-se que as pacientes com queixa de incontinência urinária aos esforços apresentava melhor qualidade de vida que as pacientes com queixas irritativas e mistas.
As pacientes com queixas irritativas, entretanto, apresentavam um escore maior, ou seja, uma melhor qualidade de vida que as pacientes com queixas mistas.
Todas estas diferenças foram estatisticamente significativas.

Tabela 2:

CORRELAÇÃO ENTRE A QUEIXA PRINCIPAL E O ESCORE DO QUESTIONÁRIO DA QUALIDADE DE VIDA

Queixa principal
Esforço Mista Irritativas Total
Escore total ( escala: 0 a 100)
N

Média

6

43

22

71

63,08

29,64

41,05

Subescala: limitação da ação Média

57,58

36,51

40,84

Subescala: impacto psicológico Média

59,42

30,22

40,91

Subescala: embaraço social Média

62,92

30,09

40,2

           p < 0,05