A principal modalidade terapêutica da fístula vesicovaginal é a cirurgia. Apesar disso, em situações especiais, podem ser tentados procedimentos conservadores que consistem na drenagem vesical contínua com sonda de Foley e antibioticoterapia por 3 a 4 semanas. Esta abordagem pode ser útil em casos selecionados de fístulas pequenas pós-histerectomia. Após este período dificilmente ocorre o fechamento espontâneo da fístula. O sucesso desta terapia conservadora é restrito a aproximadamente 10% de todos os casos de fístulas vesicovaginais. 5, 11, 12
Outra modalidade "conservadora" para tratamento das fístulas vesicovaginais é a eletrocoagulação do trajeto de fístulas pequenas e não complicadas. A idéia desta terapia é destruir o epitélio da fístula mantendo-se a paciente sob sondagem vesical contínua, na tentativa de que o trajeto fistuloso seja ocluído pelo processo de cicatrização. Os resultados obtidos com esta modalidade geralmente não são adequados.5,13