Objetivo: Avaliar a validade do questionário Impressão Global do Paciente – Melhora (PGI-I) em mulheres com IUS.

Métodos: 553 mulheres com idade variando de 18 a 65 anos foram recrutadas para um teste farmacológico para a IUS. As pacientes tinham que relatar a IUS como sintoma predominantemente, com 4 ou mais episódios de incontinência por semana e negar enurese ou urge-incontinência como sintoma predominantemente. Após um período de 2 semanas ingerindo placebo as pacientes foram randomizadas para receber ou hidroxicloreto de duloxetina ou placebo por 12 semanas neste teste duplo cego. Os dados basais e os resultados das medidas realizadas incluíram um período curto, um volume vesical fixo (400 ml), o “stress pad test” (SPT), a freqüência dos episódios de incontinência (FEI obtida a partir de anotações diárias) e o questionário previamente validado que contém 22 itens específicos sobre a Qualidade de Vida na condição de incontinência (I – QOL).
O total de pontos obtidos no I-QOL variou de 0 a 100, sendo 0 a possibilidade pior e 100 a melhor qualidade de vida possível. Após o estabelecimento dos dados básicos as mulheres também completaram o questionário PGI-I, um questionário de um único item. A pergunta e a resposta foram baseadas numa questão psicometricamente validada, usada em pesquisa psicofarmacológica.
A questão lida “marque o único número que melhor descreve em que condição se encontra seu trato urinário, comparado com como estava antes de você iniciar o tratamento com medicação neste estudo”.
As opções de resposta, variando de 1 a 7, foram anotadas em uma tabela. A validade do questionário PGI-I (questionário em anexo) foi estimada pela correlação da categoria de resposta no PGI-I com as mudanças percentuais das médias a partir dos dados básicos até os dados obtidos posteriormente na FEI e SPT, e a média absoluta das variações dos dados básicos até os dados obtidos posteriormente no I-QOL na última visita do estudo utilizando o coeficiente de correlação (rho) do teste estatístico não paramétrico de Spearman.

Resultados: A tabela 1 mostra as características dos dados básicos das 553 pacientes e a tabela 2 lista os dados dos resultados pela categoria da resposta dada no PGI-I e mostra as correlações altamente significantes observadas entre as respostas do PGI-I e as três medidas independentes na IUS.
 

Conclusões: as respostas ao PGI-I foram significantemente correlacionadas com as variações das medidas obtidas no FEI, SPT e I-QOL, estabelecendo a validação desta simples medida de melhora da incontinência. 

Voltar